domingo, 17 de março de 2013

Metal Gear Rising: Revengeance - Análise

Nota escolhida pelo autor da Análise: 9,1

Pontos Positivos

• Gameplay viciante.
• Excelente trilha sonora.
• Dublagem excepcional.
• Inimigos variados.
• Belos gráficos.
• Bom enredo.
• Bosses empolgantes com frases memoráveis.

• Arsenal variado.
• Em dificuldades avançadas, realmente é um grande desafio.
• Personagens carismáticos.

• Game legendado em Português-Brasileiro.
• Cenas de ação cinematográficas.
• Bom uso de Quick Time Events.
• Gameplay extremamente fluído, rodando a 60fps.

Pontos Negativos
• Apesar de bom, enredo mal trabalhado em alguns aspectos.
• Câmera bugada próxima de paredes ou ambientes fechados, perdendo o foco a todo instante ou se movimentando sozinha.
• Relativamente curto.

Metal Gear Rising: Revengeance é um jogo de ação e hack 'n' slash, produzido pela Platinum Games e publicado pela Konami, lançado dia 19 de Fevereiro de 2013 disponível para PS3 e Xbox360. O game é um spin-off da série Metal Gear, mostrando um pouco mais da história do ciborgue-ninja Raiden, enquanto busca sua re-vingança por acontecimentos no passado.  


So tell me: What is the meaning of life? Why are we here?


Raiden sempre foi um veterano em guerras (participando de diversas delas desde criança), chegando até mesmo receber o apelido de Jack, o estripador no passado, devido a seu incrível 
Raiden, protagonista do game.
poder e impiedade com o inimigo. Agora Raiden é um ciborgue-ninja onde atualmente trabalha para uma companhia militar privada a Maverick, prestando serviços ao governo de um país africano ainda em recuperação após uma guerra civil que movimentou milhões de dólares em toda a economia mundial, rendeu empregos e aumento de poder militar em diversos países. Raiden é determinado a proteger o primeiro-ministro deste país, e em uma dessas missões de proteção um outro ciborgue-ninja brasileiro (de uma compainha militar rival a Desesperado), chamado Samuel Rodrigues (Sam), juntamente com seu comparsa Sundowner e uma equipe de outros ciborgues atacam a equipe de Raiden e levam o primeiro-ministro consigo, quando são perseguidos por Raiden que é impedido de tomar providencias tendo que lutar com um Metal Gear comandado por Sundowner para destruir Raiden. Após uma batalha cinematográfica e sangrenta, Raiden alcança Sundowner e Sam (que agora estão fugindo em cima de um trem), mas já era tarde demais: Sundowner acaba matando o primeiro-ministro para "dar uma chance a guerra", alegando que em discursos políticos apenas o mal da guerra é lembrado, mas a parte positiva como os empregos e economia fortalecida são totalmente esquecidos fazendo as batalhas parecerem em vão. Raiden tomado pelo fracasso e ódio de seus inimigos, parte para sua vingança indo diretamente na direção de Sundowner, sendo impedido por Sam deixando assim Sundowner fugir em uma aeronave que estava sobrevoando os trilhos de trem. Confiante em si mesmo, Raiden saca sua Katana Elétrica de Alta-Frequência dando início a um duelo mortal com Sam, que simplesmente parece brincar com Raiden, conversando calmamente com ele e sempre mostrando superioridade, até 
decidir lutar de verdade quando simplesmente cega Raiden com um golpe certeiro em seu olho esquerdo, e arranca seu braço (também esquerdo) deixando Raiden a beira da morte. Incontente com a dor e humilhação de Raiden, Sam parte para cima do progonista o empurrando para fora do trem, onde Raiden segura-se nas bordas dos vagões com grande esforço usando o braço que ainda lhe resta. Antes de ser morto por Sam, Boris, amigo e superior de Raiden na Maverick alcança o trem com tanques de guerra e mais aliados, atirando contra Sam que ainda assim consegue fugir na mesma aeronave que deu suporte a Sundowner. Agora Raiden foi totalmente modificado e equipado com novos equipamentos, como um novo braço ciborgue e um novo Firmware de armadura, juntamente com novas habilidades e afins menos sua Katana, que ainda continua sendo a mesma Katana Elétrica de Alta-Frequência. O único problema dessa armadura, é a necessidade de ser abastecida a todo momento, forçando Raiden a destruir o sistema elétrico dos inimigos em combate, algo parecido com a coluna vertebral chamada Nanopasta para Reparação. Tudo está certo: Raiden já pode partir para sua re-vingança, com o objetivo de matar Sundowner, destruir a Desespero e se vingar de Sam, tudo legendado em português-brasileiro.

Corte tudo que puder, seja orgânico ou quase isso

Vamos direto ao ponto: Corte, fim. Não, não é isso. Não estamos dizendo que o  game é repetitivo ou linear demais, estamos falando do foco do game: Cortar tudo o que se move da forma que quiser. Em Metal Gear Rising: Revengeance você pode cortar praticamente tudo apresentado no cenário: Veículos estacionados ou em movimento, árvores de qualquer tipo, pilares de construções diversas, detalhes do cenário como barris, latas de lixo, outdoors, e claro: Inimigos. Além da excelente formula hack 'n' slash usando a Katana Elétrica de Alta-Frequência de Raiden, a grande novidade aqui é o Katana Mode onde Raiden saca sua Katana e tudo fica em câmera lenta, deixando o jogador fatiar livremente os inimigos da forma que quiser usando os analógicos esquerdo e direito, tendo até mesmo um contador de pedaços e assim podendo realizar o Zandatsu

No Katana Mode você pode cortar livremente, e ainda ver os resultados no contador de pedaços.
O que é isso? É o momento exato onde Raiden corta o sistema elétrico do inimigo, assim podendo arrancar sua "coluna vertebral inorgânica" e esmagá-la deixando que sua armadura a absorva, assim recarregando as células de alimentação da armadura (necessárias para entrar no Katana Mode) e também a energia (HP) de Raiden. Usar o Katana Mode é simplesmente obrigatório já que a dificuldade apresentada no game é alta, assim deixando Raiden levar dano com frequência e única saída para evitar a morte é consumindo as células inimigas. Não pense que basta chegar perto dos inimigos e apertar os gatilhos para entrar no Katana Mode, já que, caso usado em um momento inoportuno, Raiden simplesmente ficará parado com a Katana na mão disposto a tomar dano de diferentes inimigos sem chance de defesa.

Arsenal, Itens secundários e Upgrades

Ao melhor estilo Devil May Cry, ao derrotar bosses Raiden pode ficar com suas armas, desde que tenha pontos necessários para a sua aquisição. Falando em pontos de aquisição, temos o sistema de upgrade do game no final dos capítulos onde podemos realizar atualizações na armadura de Raiden, comprando skins, armas, habilidades e novos movimentos tudo para facilitar e deixar ainda mais fluído o gameplay do game que roda a 60 quadros por segundo.

Raiden realizando o Zandatsu.
Fora tudo isso, ainda temos os itens secundários como granadas diversas, caixas de papelão, portas retratos 3D (substituindo as revistas masculinas já conhecidas na série), lança mísseis, itens para desativar sistemas de segurança e etc. Qualquer um deles pode ser selecionados no menu do game, e são encontrados facilmente em caixas ou caem ao derrotar inimigos. Em resumo a tudo isso: Derrote bosses para novas armas poderosas, dê upgrades em sua armadura e abuse dos itens secundários para facilitar toda a ação no game.

Dificuldade e Inimigos

Temos como dificuldades inciais as padrões de qualquer game: Fácil, Normal e Difícil. A medida que vamos jogando, descobrimos que até mesmo na dificuldade fácil o game não é tão fácil assim e que dificuldades como Revengeance podem ser desbloqueadas terminando o game no Difícil. A
 batalha final do game é realmente um desafio, rendendo até mesmo um guia aqui no blog, claro contendo spoilers. Fora isso temos bosses como inimigos comuns mais tarde, ao velho e bom estilo Ninja Gaiden deixando tudo muito mais difícil. É claro que não há nada impossível no game, mas só em pensar em conseguir a conquista/troféu "Conclua todas as missões em Rank SSS na dificuldade Revengeance" você automaticamente pensa: Impossível. Falando em SSS, temos ranks nas missões exatamente como em DmC: Devil May Cry, mas apenas em missões que variam da D à SSS.

Ainda na dificuldade, vale lembrar que o sistema de defesa do game não é simples, obrigando o jogador e mover-se em direção ao inimigo e no momento exato apertar X/Quadrado, e que a esquiva é um upgrade extra que só é desbloqueado mais tarde. A variedade de inimigos não deixa a desejar, temos ciborgues padrões, ciborgues com armamento pesado, ciborgues que voam e uma infinidade de outras criaturas metálicas gigantes, alguns já conhecidos da série e outros inéditos. Em resumo: Temos inimigos com armas brancas e de fogo, inimigos com armamento pesado que dão dano absurdo, que voam, que não deixam Raiden ficar no ar e aqueles rápidos e mortais, os que mais causam mortes no game. Se você aprecia uma grande infinidade de inimigos, Metal Gear Rising: Revengeance vai lhe agradar no quesito inimigos.

Bosses e Trilha Sonora

Como dito previamente no enredo, após ser derrotado por Sam, Raiden parte para a sua re-vingança tendo como foco não só Sam, como também a Desesperado. E é justamente os membros da corporação que Raiden terá que enfrentar como chefes, nas conhecidas Boss Battles
Mistral, Monsoon e Sundowner são sem dúvidas poderosos inimigos a altura de Raiden, em batalhas que não deixam a desejar em dificuldade, jogabilidade e principalmente na trilha sonora. 

Não só em boss battles mas como um todo, as músicas do game são cantadas e emocionantes, tornando momentos que poderiam passar despercebidos em momentos memoráveis, batalhas simples em batalhas belíssimas, tendo como grande destaque a Boss Final que contém simplesmente uma das trilhas sonoras mais empolgantes do gênero hack 'n'  slash. Também temos os famosos Quick Time Events, momentos em que temos apertar determinados botões mostrados na tela, o qual detalharemos a seguir.

Gráficos, Cutscenes e Quick Time Events

O motor gráfico do game é como um todo muito bonito, mesmo que possua uma paleta de cores mais cinza e apagada, um dos pontos mais positivos do game é seu visual incrível, onde em campo aberto, em salas pequenas ou em cutscenes não sofre inconstância gráfica estando sempre belo e pronto para explosões gigantescas ou cenas de violência extrema entre os ciborgues inimigos ou aliados. 

Os belos gráficos apresentados no game, proporcionam belas cutscenes.
Os QTEs ou Quick Time Events também estão presentes do game, principalmente em boss battles ao melhor estilo God of War onde ao pressionar os botões pedidos no momento certo, Raiden destrói os inimigos fatiando-os ou simplesmente atravessando sua Katana em seus corpos robotizados. E não pense que as cenas que exigem o uso dos QTEs são poucas: Apesar do gameplay em geral praticamente não apresentá-las, as boss battles recompensam isso, ou seja, se você não gosta de ficar apertando botões mostrados na tela as batalhas contra chefes certamente não irão lhe agradar.
Augment Mode e Stealth

O que consagrou a franquia Metal Gear sem dúvidas foi seu variado modo stealth ainda em épocas de PlayStation One. Ainda que o foco de Rising seja outro, o game não ignora o peso de seu nome no quesito stealth, onde diversas mortes diferentes podem ser executadas nesse modo com auxílio dos já citados itens secundários como caixas de papelão ou porta retratos 3D, substituindo as famosas revistas masculinas da série e não deixando o game fugir da franquia a qual faz parte.


Além de tudo isso ainda temos o Augment Mode, um aparato contido na armadura de Raiden  capaz de identificar inimigos e itens mesmo que a distância, deixando assim o jogador planejar sua estratégia da forma que quiser sendo recompensando com uma pontuação até duas vezes maior quando age sem ser visto assim também não levando dano algum.

VR Missions e Extras

Além da campanha temos ainda as clássicas VR Missions presentes em diversos títulos da série Metal Gear. Nelas Raiden deve chegar ao final do mapa com a maior pontuação possível, matando diversos inimigos em diversas situação diferentes, podendo escolher eliminar todos em stealth ou apenas sacar a Katana e partir para a destruição.
Screenshot de VR Mission.
É claro que não podemos simplesmente acessar o menu do game e jogá-las, já que para obtê-las Raiden deve desbloqueá-las na campanha principal de maneiras diferentes, como encontrar todos os notbooks que as liberam ou destruir inimigos que possuem informações a respeito de algo específico, assim também liberando mais RV Missions. Também temos uma galeria que trás textos, artworks e itens especiais encontrados na campanha.DLCs e Skins

Antes mesmo do lançamento do game, várias DLCs de Skins foram anunciadas, algumas com funções extras para facilitar o gameplay, como aumento de dano ou velocidade por exemplo. Depois do lançamento do título, DLCs de VR Missions também foram anunciadas, como a "VR Missions DLC", exclusiva para o PS3 e gratuita nas três primeiras semanas de lançamento. 

DLCs com bosses jogáveis e histórias paralelas ao enredo chegarão ao game em breve, detalhando melhor a história de Samuel Rodrigues e ainda trazendo Blade Wolf como personagem jogável em história paralela a de Sam. Em nota oficial a Konami prometeu horas de gameplay, novas habilidades e uma melhor relação entre os personagens em todas as futuras DLCs.

Problemas e Recepção da crítica

A crítica de forma geral avaliou Metal Gear Rising: Revengeance de forma positiva, tendo médias de 7/10 à 49/50 de diversos sites e revistas diferentes. O ponto mais criticado e que realmente deve pesar na nota do game é o enredo. A série Metal Gear é famosa por longas cutscenes e enredo muito bem trabalhado, e Rising não faz jus ao nome da franquia no quesito enredo. E qual seria o problema? O mal desenvolvimento da história e a péssima relação entre os personagens. Basicamente temos Raiden agindo de forma solitária, mesmo que a todo momento tenha contato com os membros da Maverick, o ciborgue-ninja carrega sozinho todo o carisma do game, deixando personagens como Sunny e Wolf com atuações irrelevantes na história, onde com ou sem eles nada faria diferença, mesmo que seja perceptível o potencial dos mesmos. 
Sunny, Wolf e Raiden. A relação entre os três personagens são praticamente nulas no enredo.
Também temos problemas de câmera, onde a mesma se move sozinha independente da vontade do jogador, ficando incontrolável assim fazendo o jogador tomar dano de todos os lados fracassando nas missões ou tendo ranks baixos. Fora isso temos o tamanho da campanha do game, girando em torno das 5 ou 6 horas, mesmo que não conte o tempo das cutscenes, telas de pausa, reinícios de missões e etc, ainda é relativamente curto. Por fim o modo stealth pode ser problemático em momentos onde é obrigatório agir dessa forma para não morrer, já que Raiden não agacha ou faz movimentos silenciosos, mostrando que o personagem está ali simplesmente para fatiar tudo que se mexer e de forma alguma se esconder.

Conclusão

Metal Gear Rising: Revengeance é mais um grande título para o ano de 2013, onde até agora não trouxe tantas decepções como 2012. Se você gosta de hack 'n' slashs violentos e divertidos, aprecia uma boa trilha sonora e está afim de saber um pouco mais do universo de Metal Gear, Rising é um game para você. Agora se seu único objetivo seja de adquirir um game longo e com um enredo bem trabalhado, Metal Gear Rising: Revengeance pode te decepcionar um pouco, mesmo que de qualquer forma estamos falando de um excelente game no geral, e mais um grande lançamento da grandiosa série Metal Gear.



Gráfico +++
Som +++
Jogabilidade ++
Diversão +++
Avaliação Final: +++
Avaliação máxima: +++
Análise feita por Jhonn Willian.
O game foi jogado na versão Xbox360.